compartilhe

0

Nutrição

Dieta Mediterrânea: conheça os benefícios para a saúde

A dieta promove uma alimentação mais natural

RedaçãoPor
Redação

dieta mediterrânea

Por Maria Luísa Bergamasco

Desde 2004, algumas cidades do mundo são reconhecidas com Blue Zones (zonas azuis). Nesses locais, segundo pesquisadores e demógrafos, os habitantes têm uma maior longevidade quando comparados ao resto do mundo, passando facilmente dos 100 anos de idade.

Há diferentes razões para o desenvolvimento dessas áreas, que estão distribuídas por diferentes continentes – Okinawa, no Japão, Sardenha, na Itália e Icária, na Grécia, são algumas das cidades identificadas como Blues Zones. Uma das razões é a dieta adotada pela população.

Há, nesses locais, alto consumo de plantas e legumes, e um baixo consumo de carnes, sobretudo vermelhas, priorizando peixes e frango. Uma proposta muito similar à já conhecida Dieta Mediterrânea, em que alimentos industrializados saem de cena e aumenta-se o consumo de produtos naturais.

MAIS
5 mitos e verdades sobre a condromalácia patelar
Os benefícios do suco de laranja após os treinos

Uma pesquisa da Universidade de Barcelona descobriu que a Dieta Mediterrânea ajuda a evitar cerca de 30% das mortes por problemas cardíacos, como derrames e doenças cardiovasculares em geral.

Para esclarecer as principais dúvidas sobre a dieta, conversamos com a nutricionista e doutoranda pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Tatiana Figueira.

Foco na saúde

A Dieta Mediterrânea é baseada nos hábitos dos países banhados pelo Mar Mediterrâneo, como Itália, Espanha, Grécia, Egito, Líbano, Turquia e Marrocos. Prioriza alimentos ricos em vitaminas, minerais, ácidos graxos, fibras e antioxidantes.

Na hora de ir às compras, você deve priorizar frutas, hortaliças (verduras e legumes), cereais (milho, arroz, trigo, aveia), oleaginosas (nozes, castanhas e amêndoas), azeite, leite e seus derivados.

“Carnes vermelhas precisam ficar de lado, mas o peixe e o frango entram como proteína. É importante também cortar o consumo de alimentos industrializados, já que esses são caracterizados pelo uso de conservantes e corantes”, destaca a nutricionista. Dê preferência ao que for natural, até mesmo para temperar os alimentos, como o clássico tempero de cebola, alho e ervas.

Combate à depressão

Estudos realizados pela Universidade da Austrália do Sul mostram que a Dieta Mediterrânea ajuda no combate à depressão por ser rica em nutrientes que favorecem a produção de neurotransmissores responsáveis pela sensação de bem-estar.

No entanto, para melhorar ainda mais a qualidade de vida, recomenda-se a prática regular de atividades físicas que, além de favorecer a saúde, facilita o processo de emagrecimento.

Opções de cardápio

Café da manhã

1 copo de leite desnatado, pão integral com ricota e uma fatia de mamão.

Lanche da manhã

3 torradas integrais de arroz e 2 castanhas.

Almoço

Salmão grelhado, 2 batatas cozidas, salada de alface crespa, tomate, cebola roxa e 1 pera

Lanche da tarde

1 iogurte natural e 1 banana ou 1 tapioca com queijo light.

Jantar

Você pode seguir os mesmos itens do almoço.

Em muitas dietas, as bebidas alcóolicas são excluídas. Entretanto, na mediterrânea, o vinho pode ser consumido semanalmente, com moderação.