compartilhe

0

0

Nutrição

Conheça os maiores vilões do fast food – e fique longe deles

Veja quais são os piores alimentos das redes de comida rápida, e como substituí-los com escolhas conscientes

Redação WRunPor
Redação WRun

Diversas opções de fast food (Fonte: shutterstock)

Manter uma alimentação saudável e regrada é fundamental para atletas que buscam melhores resultados e pessoas que buscam mais qualidade de vida. Mesmo assim, a tentação do fast food pode acabar sendo forte demais para resistir. Você sabe o que escolher quando a vontade fala mais alto?

Dicas para um churrasco
vegetariano diverso e saboroso

Inscreva-se para a Cosan Venus!
5K | 10K | 15K | 
SP 01.09 | Rio 22.09 

É importante saber que, mesmo em restaurantes desse tipo, existem pratos que devem ser evitados a todo custo. WRun conversou com a nutricionista Ana Amelia Lovison Bagagli sobre o assunto. De cara, ela deixa claro que não é necessário abolir o fast food da vida: “Se um atleta opta por este tipo de alimento de vez em quando, não há problema. O importante é não sair do equilíbrio”, diz.

Além disso, ela elencou alguns dos piores ingredientes para o corpo e o que fazer para evitá-los. As dicas da profissional ajudam a entender que nem todos os itens desses restaurantes são igualmente ruins.

1. Evite as frituras

Nuggets de frango (Fonte: shutterstock)

“Quando o óleo é submetido a altas temperaturas ele se torna altamente prejudicial ao organismo. Um alimento frito se torna inflamatório para o corpo”, diz a nutricionista.

Ana Amelia recomenda ficar longe dos acompanhamentos clássicos, como a batata frita, cebola frita e nuggets de frango. Ao invés disso, o conselho que ela dá é que esses acompanhamentos sejam deixados de lado, e a pessoa opte por um hamburguer pequeno como acompanhamento do prato principal, por exemplo. Apesar de não ser ideal, esse tipo de alimento tem uma quantidade maior de proteína em sua  composição.

2. Busque pratos sem queijo processado

Exemplo de queijo processado (Fonte: shutterstock)

O queijo processado é preparado a partir de ingredientes lácteos com a adição de emulsificantes, sal e corantes. Esse alimento costuma ser mais barato do que um queijo normal e, por isso, é mais comum em pratos de fast food.

Segundo a nutricionista, consumir esse tipo de produto em excesso aumenta o risco de doenças crônicas como a obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Procure sempre consumir os queijos feitos de forma mais natural. Caso não encontre essa opção, é recomendável retirar o queijo do seu lanche. Se comparadas com pizzarias de redes de fast food, pizzarias de bairro costumam usar queijos de maior qualidade em seus pratos. Hamburguerias gourmet também oferecem opções de queijos com maior qualidade.

3. Diminua o sódio da sua refeição

Porção de batata frita (Fonte: shutterstock)

Um dos principais problemas de fast food é que esses alimentos costumam ter uma alta concentração de sódio. Ana Amelia alerta para o perigo: “O consumo excessivo de sódio está relacionado ao aumento de pressão arterial e pode desencadear hipertensão arterial, uma doença crônica”.

A dica da nutricionista é pedir que a comida venha com sal à parte, pois desse jeito é mais fácil controlar as quantidades consumidas. Caso isso não seja possível, novamente substitua seu acompanhamento por um cheeseburger – ao menos você troca gorduras e sódio por algo com algum teor de proteína.

4. Preste atenção ao horário

Como uma dica final, Ana Amelia recomenda atenção aos horários de consumir esses alimentos. Ela recomendou que, caso essa seja a opção, é ideal usar essa refeição como um pós-treino. Comer essas “bombas calóricas” antes de treinar ou competir pode prejudicar o desempenho do atleta. Antes de treinar, o ideal é se alimentar com refeições ricas em nutrientes, vitaminas e minerais.