compartilhe

0

Colunistas

Praticar pilates na gravidez é benéfico?

A técnica favorece e muito, o trabalho de parto, já que as mamães irão aprender a ter controle respiratório, o que automaticamente reduz a ansiedade desse momento

Redação WRunPor
Redação WRun

Por Ana Luísa Marçal*

É natural que as mulheres grávidas tenham milhares de dúvidas quanto ao momento do parto. Esperar o parto normal ou partir logo para a cesárea? E o parto humanizado, será que dá para encarar? A maioria destas indagações acontecem por conta da tão temida e superestimada dor do parto.

Claro que a decisão da maneira como a criança virá ao mundo é única e exclusiva dos futuros papais, mas que independente de qual seja, o Pilates é um grande aliado e fundamental para amenizar estas dores. A técnica favorece e muito, o trabalho de parto, já que as mamães irão aprender a ter controle respiratório, o que automaticamente reduz a ansiedade desse momento. E os benefícios não param na gestante, afinal, uma mãe disposta, serena e com boa circulação e condicionamento passará muito mais tranquilidade para o seu bebê.

Essa atividade é trabalhada de maneiras diferentes, com exercícios específicos para cada trimestre de gestação, podendo ser iniciada a partir do terceiro mês de gravidez. E durante essa fase é importante que a gestante evite fazer muito esforço. Além disso, é preciso ter muito cuidado ao realizar alongamentos, pois na gravidez as articulações ficam mais instáveis e frouxas devido ao hormônio relaxina, que é produzido nessa fase.

Mas independente da fase da gestação, os exercícios de mobilidade são os principais, afinal de contas, as mamães sempre reclamam de dores na região lombar e por isso é muito importante realizar esses exercícios, já que auxiliam na prevenção da dor lombar e no relaxamento da coluna. Também ajudam na prevenção e redução dos terríveis inchaços causados nesse período, além de dar muito mais disposição para as atividades do dia a dia.

No entanto, mesmo com tantos benefícios que o Pilates possibilita, muitas mamães ainda sentem receio de praticar essa atividade física, por medo de sofrer algum tipo de lesão. É importante lembrar que o Pilates, se feito com um profissional qualificado e de maneira correta não causará nenhum dano nem a mãe, muito menos ao bebê. Porém, sempre oriento as minhas pacientes a pedir autorização ao obstetra para o início dessa atividade, pois fatores de risco como ameaça de aborto e pressão alta são algumas condições que levam a contra indicação do exercício. Mas não precisa se assustar! Se o médico liberou, busque um profissional de confiança e se jogue!

Sobre Ana Luísa Marçal:

Fisioterapeuta (Crefito: 127346-F) e sócia proprietária da Unidade de Guarulhos do Instituto Pilates, a profissional possui formação em pilates solo e aparelhos para patologias da coluna e estabilização segmentar vertebral; além de especialização em fisioterapia Neuro funcional pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Saiba mais em: www.instpilates.com.br