compartilhe

0

0

Saúde & Beleza

O que as mulheres têm a ganhar com a corrida

Especialista revela os benefícios do esporte e tira as principais dúvidas das garotas que amam praticar o exercício

RedaçãoPor
Redação

corrida

As diferenças entre homens e mulheres vão muito além do aspecto físico. O funcionamento do organismo e a maneira como o corpo reage ao estímulo da prática esportiva, por exemplo, são bem diferentes. Segundo a preparadora física Adriana Lobo, da MPR Assessoria Esportiva, realmente existem várias diferenças fisiológicas e morfológicas entre homens e mulheres, mas quando se trata de definir a programação de treinos, o professor deve sempre ficar atento às características individuais, nível do condicionamento e sua composição corporal, independentemente do gênero. “Uma particularidade da mulher está na anatomia: o quadril mais largo em relação aos homens, por exemplo, as torna mais sujeita a problemas como joelho valgo (popularmente chamado de ‘joelho em x’)”, diz. Com o movimento repetido da corrida, a característica pode contribuir para uma maior ocorrência de lesão nessa articulação.

As vantagens da corrida para elas 

A corrida oferece diversos benefícios à vida da mulher: melhora a capacidade cardiorrespiratória, acelera o emagrecimento (graças ao gasto energético durante e depois dos treinos), tonifica a musculatura e reduz a flacidez. Outro efeito que pode ser citado é o fortalecimento do esqueleto, o que ocorre em razão do impacto do corpo com o solo e que contribui para construir ossos mais resistentes e protegidos da osteoporose.

Correr também melhora o humor, pois aumenta os níveis de dopamina e serotonina no cérebro, substâncias que dão a sensação de prazer, bem-estar e alívio da dor. “Por isso, pode ser considerada uma importante aliada à diminuição do estresse e dos sintomas da TPM”, conta Adriana.

Além dessas vantagens, a modalidade auxilia na aceleração do metabolismo devido à maior regulação da produção de hormônios tiroidianos (T3 e T4), responsáveis por controlar a energia metabólica.

Cuidados durante a corrida

Esqueça essa história de “sexo frágil”: as mulheres estão cada vez mais dedicadas e inseridas no mundo dos esportes, principalmente das corridas – inclusive, de longas distâncias. Porém, a sua estrutura corporal exige alguns cuidados especiais.

Uma das dúvidas mais comuns das mulheres antes de adotar a corrida é quanto aos seios: eles vão ficar caídos? De acordo com Adriana, o balanço que as mamas sofrem durante o movimento pode levar a dores musculares e na coluna – ocasionados por uma postura incorreta. Quando à queda, é possível prevenir usando um top adequado a esportes de alto impacto. “Um modelo inadequado pode fazer com que a mulher comece a sentir dores e outros incômodos, como atrito com a pele e calor, o que atrapalham o desempenho”, explica a treinadora.

Na hora de escolher um top de corrida, dê preferência àqueles que tenham boa capacidade de sustentação, propiciam firmeza e não machucam a pele. Uma dica é investir nos modelos com alças largas, modelagem nadador ou cruzado nas costas.

Em tempo: a flacidez é causada pela perda de substâncias responsáveis pela firmeza da pele, e não pela prática de exercícios. Ou seja, treinar é aconselhável a todas que querem manter a saúde em dia e ter um corpo mais definido.

Os benefícios da corrida para mulheres

Posso correr menstruada?

Antes e durante o período menstrual, é comum que a mulher tenha algumas variações de humor, cólicas e indisposição e, segundo confirma a preparadora, a corrida pode ser de grande ajuda para controlar os hormônios. Quando a mulher está “naqueles dias”, o corpo produz algumas substâncias, como a prostaglandinas, que promove inflamações e dor, como a cólica. “A endorfina gerada graças à corrida ajuda a controlar este problema, pois esse hormônio proporciona a sensação de bem-estar.”

Porém, caso a mulher esteja se sentindo muito desconfortável durante esses dias, o ideal é que ela faça exercícios leves a moderados, evitando, assim, o desconforto. Se o incômodo for muito grande, deixe de correr e procure um médico.

Para as roupas íntimas, prefira peças que se ajustam bem ao corpo e ao seu biótipo. Evite tecidos grossos (que não permitam a transpiração e geram mais calor durante os exercícios) e com costuras (que podem provocar atrito e machucar a pele).

Grávidas corredoras

Mulheres grávidas podem, sim, continuar a correr, mas é preciso ter alguns cuidados. “O corpo feminino durante esse período usará uma maior parte de suas energias para o desenvolvimento do feto e, por esse motivo, a intensidade e volume durante os treinos devem ser reduzidos”, lembra Adriana.

O treinamento muscular é necessário nesses meses, mas sua intensidade deve ser reduzida – sempre com a orientação de um profissional de educação física. Adriana acha desnecessário, também, que a grávida participe de alguma prova com foco em performance durante a gestação. Por último, ela indica evitar treinos em dias muito quentes, que podem ser bastante incômodos e levar a gestante a ter um mal-estar.

“Outro fator importante é que o organismo da mulher grávida se prepara para o parto, provendo aos ligamentos e juntas uma grande elasticidade para facilitar a passagem do bebê no nascimento. Este afrouxamento torna essas regiões mais susceptíveis a lesões”, a entrevistada explica. Ainda, devido ao crescimento da barriga, o centro de gravidade da mulher muda, podendo resultar no desequilíbrio ou queda da gestante, sendo muito perigoso tanto à mãe quanto ao bebê.

Assim, o ideal é que a corredora procure, logo que descubra sobre sua gravidez, um profissional especializado, que possa dar as melhores orientações para que ela continue a praticar exercícios de forma saudável, sem prejudicar sua saúde ou a do bebê.

Corredoras na melhor idade

Quando a atleta está no período da menopausa – ou perto de entrar nele –, costuma ficar mais desanimada, deprimida e irritada por conta da baixa hormonal e, como a atividade física libera hormônios e neurotransmissores que ajudam a melhorar o humor, a prática de exercícios é uma boa opção para contornar essa situação desagradável e fazer com que a mulher se sinta melhor consigo mesma.

“Não existe um treino de corrida específico para as corredoras que estão na menopausa, mas é aconselhável procurar um profissional da área para montar um programa de exercícios correto”, aconselha Adriana.