compartilhe

0

Saúde & Beleza

Entenda – e previna – as lesões mais comuns na corrida

Conheça as 6 lesões mais comuns de quem pratica corrida e saiba como evitá-las

Redação WRunPor
Redação WRun
lesões mais comuns

Foto: Shutterstock

Por Brenda Prestes

Correr é tudo de bom, mas, como se trata de um esporte de alto impacto, acaba expondo os atletas a danos físicos. Quando a prática não é complementada com treinos de fortalecimento específicos, aumenta-se o risco de lesões capazes de afastar o atleta da pista por pouco ou muito tempo.

Inscreva-se na Cosan SP City Marathon 2019, dia 28 de julho

De acordo com o fisioterapeuta Bernardo Sampaio, diretor regional da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna – ABR Coluna, a maioria das lesões resulta de um volume de treino excessivo ou por desequilíbrios musculares nas pernas e quadris, regiões que mais sofrem o impacto da corrida. Entenda as lesões mais frequentes em corredores e saiba como se proteger.

1. Canelite

A dor na canela é causada por uma inflamação na camada que recobre esse principal osso da parte inferior da perna, a tíbia. Geralmente acontece pela combinação de excesso de treinamento, falta de fortalecimento adequado da musculatura local, uso de tênis impróprio para corrida e erros posturais na hora do exercício. Se não tratada, pode evoluir para uma fratura por estresse (uma espécie de trinca no osso) ou mesmo uma fratura real do osso.

2. Fascite plantar

Sentiu uma dor parecida com um repuxamento na sola do pé durante a corrida ou ao apoiar o pé no chão pela manhã? Deve ser fascite plantar, lesão conhecida dos corredores, mas que afeta também a população sedentária. Trata-se de um processo inflamatório na fáscia, tecido que se estende do calcanhar até perto dos dedos. Esforço repetitivo, falta de alongamento, alterações na pisada tênis inadequado e excesso de sobrecarga desencadeiam o problema.

 

MAIS

Como identificar o seu tipo de pisada

Overtraining: conheça os sintomas e saiba como evitar

Testamos: tops de alta sustentação para corrida

 

3. Condromalácia patelar

Ocorre pelo desgaste da cartilagem que reveste o osso da patela, o que leva a dor intensa na parte da frente do joelho. Atrapalha não só na hora de correr: saltar, subir e descer escadas, agachar e ficar muito tempo com o joelho flexionado também provocam dor. Erros biomecânicos ao correr, somados a fraqueza dos músculos do tronco e da região dos quadris, aumentam a pressão sobre os joelhos e levam ao desgaste e à dor.

4. Síndrome do trato íliotibial

É uma lesão inflamatória que atinge a estrutura de tecido fibroso que se estende lateralmente desde a da coxa até a tíbia – o chamado trato íliotibial, um ponto de junção de importantes músculos do quadril. Desequilíbrios musculares associados ao volume de treino podem ser a causa da dor, que costuma aparecer com o esforço – é comum o corredor não sentir dor durante o repouso, mas ela aparecer durante o treino e piorar com a intensidade da corrida.

5. Joelho de saltador

É o nome popular para tendinite patelar, uma das queixas mais frequentes entre corredores, mas que também é bem conhecida dos jogadores de futebol, basquete, vôlei. A inflamação gera dor abaixo da patela, osso na parte da frente do joelho. A causa está ligada à perda de capacidade de absorção do impacto pelo músculo da parte da frente da coxa (quadríceps), que acaba gerando sobrecarga no tendão patelar, que conecta a patela à tíbia. Fraqueza muscular e alterações biomecânicas na corrida podem gerar a lesão no tendão.

6. Tendinite de Aquiles

É uma inflamação no tendão localizado no calcanhar. Costuma aparecer em atletas acima do peso ou que não fazem trabalho correto de fortalecimento e alongamento dos músculos das panturrilhas e região do tornozelo. Uso de tênis certos e rotina de treinamento de acordo com o nível de condicionamento ajudam a evitar.

Como tratar

Depois de uma análise dos sintomas, os hábitos de corrida e as alterações biomecânicas do paciente enquanto corre, além de realizar testes de função e força muscular, o especialista indica o tratamento mais adequado. De modo geral, as alternativas consideradas são:

  • Técnicas da fisioterapia manual ortopédica;
  • Analgésicos e antiinflamatórios;
  • Liberações manuais da musculatura;
  • Liberação miofascial;

“É importante lembrar que cada caso deve ser avaliado individualmente. Ssó assim é possível saber qual recurso deve-se usar para tratar aquele paciente”, explica o fisioterapeuta.

Prevenção certa

Dores passageiras costumam durar em torno de 48 horas. Caso não desapareça nesse período ou se torne persistente ou limitante, deve-se procurar ajuda profissional. O médico ortopedista e o fisioterapeuta especialista na área músculo esquelética são os mais indicados.

Segundo Bernardo, o volume de treino inadequado é o principal fator de lesão. Por conta disso, é importante atentar ao condicionamento físico específico para o esporte que você pratica. No caso da corrida, vale a pena incluir:

  • Exercícios de mobilidade;
  • Fortalecimento e controle motor;
  • Exercícios educativos de corrida;
  • Periodização do treinamento.

Fonte: Bernardo Sampaio, fisioterapeuta e diretor regional da Associação Brasileira de reabilitação de coluna – ABR Coluna e diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata, de Guarulhos.