compartilhe

0

0

Saúde & Beleza

Corrida na gravidez: bom para a mamãe e o bebê

Faça exercícios para garantir uma gestação saudável e evitar problemas no pré e pós-parto

Elcio PadovezPor
Elcio Padovez

corrida na gravidez: bom para a mamãe e para o bebê

Muitas pessoas ainda ficam surpresas ao ver uma gestante fazendo exercícios. O principal temor é que a atividade física cause algum dano ao bebê ou provoque um aborto. Mas, se você é corredora e planeja ser mãe (ou já está grávida), fique tranquila. Com os cuidados certos, a corrida na gravidez não faz mal algum. Pelo contrário. Dar suas passadas ao longo dos nove meses de gestação é seguro e traz inúmeras vantagens para a futura mamãe e seu pimpolho.

“Toda mulher que está em uma gravidez saudável pode realizar exercícios físicos. Os principais benefícios disso são prevenção de obesidade materna, alívio de possíveis dores na região lombar, melhora da atividade cardiopulmonar”, destaca Maita Poli de Araújo, doutora em ginecologia e especialista em medicina do esporte. “Além disso, por oferece interação social, a prática esportiva auxilia no equilíbrio emocional, que sofre alterações no período.”

A corrida na gravidez também ajuda a fazer com que o trabalho de parto e o pós-parto sejam menos traumáticos. Motivo: as mamães de tênis possuem um organismo mais resistente, têm mais força na região do abdome e pélvica e ficam mais relaxadas e felizes por causa da endorfina liberada nos treinos.

Os primeiros passos
Para as corredoras que acabam de descobrir que estão grávidas, o passo inicial é realizar exames clínicos. “É muito importante passar por uma avaliação médica para saber se a mulher está apta a praticar esportes”, orienta Maita. Segundo recomendações da Sociedade Paulista de Medicina Esportiva (SPME), gestantes sedentárias devem fazer 150 minutos de atividades aeróbicas por semana, divididas em pelo menos três sessões, em intensidade moderada. Já quem treina regularmente pode até ter uma carga maior e mais intensa de exercícios, mas precisa ajustar isso com um médico. “Tanto as sedentárias quanto as experientes na corrida necessitam da orientação de um profissional de educação física. Ele irá definir a frequência, intensidade e tipo de exercícios.”

Cuidados essenciais
Maita Poli de Araújo alerta que durante a gestação é importante redobrar os cuidados com a hidratação, comer em intervalos menores, não treinar em jejum e evitar se exercitar nos momentos mais quentes do dia. “Nunca é demais lembrar que há um bebezinho que vai correr junto com a futura mamãe. Ela deve respeitar a saúde dos dois e nunca ignorar as intercorrências da gestação, como enjoos, cansaço, vontade frequente de ir ao banheiro e sono.” O exercício deve ser interrompido e o médico consultado o mais rápido possível em caso de sangramento vaginal, tontura, dor ou inchaço na panturrilha, diminuição do movimento fetal, perda de líquido amniótico, falta de ar, dor no peito ou trabalho de parto prematuro, indica a Sociedade Paulista de Medicina Esportiva.