compartilhe

0

Colunistas

Não é tão simples assim…

Como não ficar guardando as coisas nem soltar as feras com tudo? Como achar um meio termo?

Chris BiltoveniPor
Chris Biltoveni

não é tão simples assim

Sou tão transparente que todo mundo sabe que estou passando por uma série de grandes mudanças simultâneas na vida. Está na minha cara. Basta olhar pra mim e descobrir que é um tudo ao mesmo tempo agora complicado. Mas tudo bem, porque sei que vou conseguir sair dessa mais forte do que nunca. Enfim, isso talvez justifique minhas últimas semanas meio borocochô, mais pra lá do que pra cá. Mas isso também está me trazendo uma certa serenidade que não conseguia ter antes…

Sempre fui nervosinha. Aquele tipo que fica alterada quando a outra parte não concorda com meus pensamentos. Porém, ando reagindo de forma tão diferente que até me surpreendo… Pode ser um processo que vai melhorar a minha pessoa, ok. Mas, no fundo, sinto falta daquela Chris cheia de impulso, intensa, quase agressiva. Não disse que é bom ou ruim. Apenas que sinto falta, ué? Faz parte de mim. Sem contar que mudar é muito complicado… Eu, hein?

Domar o impulso é um aprendizado diário, duro, difícil. O lance de contar até dez até funciona, mas pra mim é surreal, porque parece que estou engolindo o lance a seco e guardando dentro de mim. Na minha opinião, isso faz mal. Vira um fardo – e pesado. Sem contar que, a longo prazo, rola uma somatização. Sou mais de botar pra fora. Falar sem pensar muito. Usar a autenticidade – e com amplificador, lógico. Do tipo: eu digo mesmo e dane-se todo mundo.

Não é que eu acho bacana ser assim, é apenas que eu sempre fui assim e é estranho mudar. Daí, como a gente não é um aparelhinho que dá pra virar a chavinha, tirar do on e colocar no off… Como achar o meio termo? Como não ficar guardando as coisas nem soltar as feras com tudo? O caminho é longo, árduo, cheio de pedras e pedregulhos. É preciso equilíbrio, sabedoria e compaixão. Não é do jeito que estou acostumada. Não é tão simples assim…

Beijo, beijo, beijo.