compartilhe

0

0

Colunistas

A primeira maratona

A personal trainer Bruna Guido conta como foi sua estreia nos 42 km

Bruna GuidoPor
Bruna Guido

A primeira maratona

A primeira vez a gente nunca esquece, certo? Então, quero torná-la a melhor lembrança de todas!

Quem me acompanha no insta @brunaguido_mb já deve ter visto minha saga para estrear na maratona. Mas aqui irei contar os mínimos detalhes, desde o início da jornada.

Sempre gostei de provas de 5 km, principalmente por ter mais chances de chegar entre as primeiras (risos). Porém, vi que precisava aumentar a distância. Como treinadora, tenho que saber o que meus atletas sentem na preparação e durante provas mais longa. Então, esse ano comecei a treinar para encarar minha primeira meia maratona, que foi em abril.

Foquei, me dediquei ao máximo nos treinos e, antes mesmo de estrear nos 21K, recebi uma proposta da New Balance para participar da Maratona de Nova York. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que teria pela frente, topei o desafio.

Continuei com o planejamento para a meia maratona, para não pular etapas. Condicionei meu corpo e minha mente e fiz de tudo para não perder os treinos de musculação – era importante deixar o corpo mais forte e resistente, para não correr o risco de me lesionar. Estreie bem nos 21K e, seis meses antes da maratona, iniciei a preparação específica para Nova York, supervisionada pelo meu treinador (e também marido) Marcelo Baltazar.

Nesse período de 6 meses, me inscrevi em mais quatro meias, para ganhar experiência em distâncias maiores do que estou acostumada. Precisava adquirir  volume e muito fôlego para aguentar a maratona.

MAIS
Por que treinar com uma assessoria esportiva?
Playlist para fazer um ótimo treino

OS OBSTÁCULOS DO CAMINHO

Os treinos foram difíceis, meu corpo doía e surgiu uma lesão no pé esquerdo. Em alguns treinamentos, fui obrigada a parar, tirar o tênis e massagear o pé por alguns minutos para aliviar as dores. E foram assim os meus longões: terminava me arrastando, chorando e com vontade de desistir dos 42 km. Mas algo lá dentro me dizia para persistir, mesmo com dor. Assim foi feito… Segui em frente e completei a planilha, com alguns treinos perdidos, mas com a maioria muito bem feita.

Tive acompanhamento de um médico esportivo e de fisioterapeutas durante todo esse tempo, e ainda contei com a parceria de uma loja de suplementos para ajudar no gás pré-treino e na recuperação pós-corrida.

Fui para Nova York sem saber o que aconteceria a partir do quilômetro 34 (já que os treinos só foram até essa distância). Para piorar, não consegui realizar nenhum treino longo sem parar. Sabia que seria uma grande superação. Difícil, mas não impossível. Por isso, mantive  o pensamento positivo para tudo dar certo.

A primeira maratona

O GRANDE DIA

Iniciei a prova com o ritmo de 5:00 min/km, como era o planejado. Depois do 1,6 km, a perna ficou leve e acelerei, mantendo o pace de 4:30 min/km. Sentia que era meu dia. Os quilômetros passavam e eu continuava bem. Isso foi me deixando cada vez mais empolgada. Acredito que o melhor de completar uma maratona é terminá-la bem e feliz.

Consegui cruzar a linha de chegada da minha primeira maratona em 3h17min36s. O foco era 3h30, mas acho que me subestimei (risos).

A dica que dou a você que pretende encarar os 42,195 km é: não pule etapas! Siga a planilha de treinos, a dieta, fortaleça o corpo, hidrate-se e acredite!

Um super beijo!